Home / Operação Prados e American Dream 2

Operação Prados e American Dream 2

Operação Prados e American Dream 2

Operação Prados e American Dream 2

Momento SINPEF/MG / 16 de Abril de 2019

A Polícia Federal (PF) e o Ministério Público Federal (MPF) deflagraram nesta terça-feira (16) as operações “Prados” e “American Dream 2” em Minas Gerais, Distrito Federal e no Ceará. O objetivo é desarticular associações criminosas responsáveis pela prática de fraudes bancárias contra a Caixa Econômica Federal.

De acordo com as informações divulgadas pela Polícia Federal, foram cumpridos 15 mandados judiciais de busca e apreensão, expedidos pela 2ª Vara Federal de Juiz de Fora. São 13 na cidade mineira, um em Brasília (DF) e um em Fortaleza (CE).

Também estão em andamento medidas de quebra de sigilo bancário, para apurar o valor total do prejuízo causado às instituições financeiras.

Os nomes dos suspeitos não foram divulgados. O G1 pediu posicionamento à Caixa Econômica e aguarda retorno.

 

Operação Prados

 

Segundo a Polícia Federal, o grupo investigado nesta operação é formado por um contador e por jovens empresários de Juiz de Fora. Eles usavam documentos falsos para constituir empresas fictícias em nome de “fantasmas” e abrir contas bancárias em diversas instituições financeiras, inclusive na Caixa, para conseguir empréstimos de natureza pessoal e empresarial.

Durante as apurações, foi verificado que um mesmo investigado teria utilizado cinco números de Cadastro de Pessoas Físicas (CPF) diferentes, com pequenas variações de dados pessoais, para constituir empresas e obter empréstimos bancários que não foram quitados.

O nome da operação, “Prados”, é uma referência ao sobrenome mais utilizado pelos fraudadores na confecção dos documentos falsos.

 

Operação American Dream 2

 

Esta operação é um desdobramento da Operação “American Dream”, deflagrada em Juiz de Fora em 20 de outubro de 2015. A ação desarticulou uma organização criminosa que fraudava cartões de crédito e os usava para comprar produtos no exterior, que eram revendidos no Brasil por valores 10% a 30% mais baratos. Na época, 14 pessoas foram presas em Juiz de Fora, Rio de Janeiro e em Maringá. O foco foi em Juiz de Fora; prejuízo estimado era de mais de R$ 20 milhões.

Nesta terça (16), o objetivo é responsabilizar criminalmente cinco integrantes do grupo criminoso não identificados na primeira fase da investigação. Entre eles, estão dois empregados da Caixa Econômica Federal, sendo um de Brasília e o outro de Fortaleza (CE), suspeitos de vazar dados de correntistas para os membros da quadrilha incumbidos de operacionalizar a clonagem de cartões de crédito.

Fonte: Por G1 Zona da Mata


COMPARTILHE ESTA NOTÍCIA